A propósito da crise grega, voltei a ouvir uma expressão que já não ouvia há anos: “a esquerda democrática”. O tempo é outro e o contexto é certamente diferente, mas a expressão – curiosamente – é a mesma.

Lembro-me bem de qual era o sentido com que era usada há 20 ou 30 anos em Portugal. Falava-se da “esquerda democrática” por oposição a uma esquerda que implicitamente (implicitamente na expressão e explicitamente no discurso) se considerava “não democrática”. Claro que sempre me fez confusão a forma como esse “nós-vs.-eles” impunha uma definição de democracia. Como se esta fosse uma palavra monossémica, quando na realidade é uma da palavras mais polissémicas que existe. Isso sempre me pareceu injusto e intelectualmente abusivo, mesmo quando a acepção de “democracia” era aquela com que eu concordava. Não há uma “democracia”; há vários tipos de “democracia” porque há muitas acepções diferentes da palavra “democracia”.

Curiosamente, a expressão “esquerda democrática” quase desapareceu do discurso político durante os últimos 15 a 20 anos. De certa forma porque o discurso político em Portugal interiorizou que os partidos à esquerda do PS , do PCP “para lá”, não contavam para aquilo que muitas vezes se chamava “o arco da governação” (que incluía, naturalmente, a tal “esquerda democrática”). De certa forma gerou-se um consenso, a que os próprios certamente chamariam “consenso democrático” (lá está!), sobre o modelo de sociedade que estava a ser construído e no qual as regras do “jogo democrático” (algumas regras formais mas muitas informais) desempenhavam um papel conciliador e unificador. Durante anos discutimos a política dentro do contexto desse consenso e raramente saindo dele.

Por isso é que torna irónico que a expressão regresse agora a propósito da situação na Grécia e das aritméticas eleitorais dela resultantes. Já ouvi a expressão “esquerda democrática” em notícias , comentários e análises. Ainda não percebi muito bem quais são os partidos da esquerda grega que estão dentro ou fora da chamada “esquerda democrática”. Mas já deu para perceber que, subitamente, a esquerda “não democrática” (o que quer que seja que isso significa; é um vocábulo pelo menos tão polissémico como o seu oposto…) é ou pode ser maioritária. Ou pelo menos tão numerosa ao ponto de impedir o tal consenso que aparentemente vigorava lá como cá. E isso é uma situação nova. De repente o consenso dentro do qual a sociedade política grega evoluiu nas últimas décadas quebrou-se ao ponto de voltar a ser necessário usar a dicotomia “esquerda democrática”/”não democrática”.

E isso, em si mesmo, pode ser um indicador muito interessante. Pode significar – é apenas uma hipótese! – que o arco temporal que medeia entre esse tempo e o que hoje vivemos se fechou. E que o processo de construção social que então se iniciou, com participação de todas as forças políticas (não apenas partidos…) da “área democrática”, falhou! Falhou, ao ponto de voltar a ser necessário contar com  forças consideradas “não democráticas” e portanto não passíveis de consensos.

Deste ponto de vista, Grécia e Portugal (como de resto outros países da periferia europeia) têm percursos históricos muito semelhantes. E o que isto pode significar, no fundo, é que o movimento histórico profundo de aproximação ao norte da Europa (por aglutinação) terá falhado para os dois países (e outros em situação semelhante). E que o sonho de uma Europa homogénea terá ruído definitivamente. E isso é uma má notícia. Porque uma Europa desunida é uma Europa mais fraca. Hoje ainda e muito mais do que há 50 anos atrás.

Anúncios

O problema do euro, do PIB, da Europa e da democracia europeia.

Quando ouvirem falar de “crise do euro” ou “crise das dívidas soberanas” (e vão ouvir falar muito nas próxima horas!) mudem de canal! Quem falar de qualquer dessas coisas nos media demonstra que não sabe do que está a falar.

Esta crise é política antes de ser geopolítica, é geopolítica antes de ser económica e é económica antes de ser financeira.

A crise é política porque a integração europeia esbarrou na insuficiência das instituições europeias para a aprofundar. A ideia europeia estava correcta quando nasceu e continua correcta hoje. O mundo globalizado não “pede” instâncias de governação supra-nacionais. Ele “impõe” essas instâncias! Elas surgiram ao longo dos anos e vão continuar a surgir, independentemente de a União Europeia se conseguir ou não materializar como tal. Infelizmente, a Europa não soube aprofundar-se do ponto de vista democrático. Não soube oferecer ao europeus algo mais do que burocracia para contrapor às suas democracias nacionais. É óbvio que foram sempre os europeus – em referendos e eleições – que resistiram (e ainda hoje resistem) ao aprofundamento da Europa. Mas nunca saberemos qual seria o envolvimento das populações no projecto europeu se ele tivesse sido mais democrático. Mais “de baixo para cima” do que “de cima para baixo”.

Aliás, do ponto de vista político, quando se fala tantas vezes de uma possível Europa a duas velocidades, quase sempre esquecemos que essa Europa a duas velocidades já existe há muito tempo, materializada nos países do euro, por um lado, e nos que continuaram com as suas moedas nacionais, por outro lado. Do ponto de vista da integração política (já nem falo da integração económica e financeira) não faz qualquer sentido que haja países que usam uma moeda única e outros que não a usam. Esse foi, de certo modo, o primeiro pecado capital da integração política europeia. Foi o primeiro momento de insuficiência. Foi o precedente.

A crise é geopolítica porque a ascensão das novas potências (os BRIC, mas não só) se fez – como inevitavelmente se faria – à custa das velhas potências, sobretudo Europa e Estados Unidos. O fim da guerra fria e a expansão livre da globalização trouxe esta realidade absolutamente nova: as potências médias ascenderam ao primeiro plano do concerto das nações. Num quadro de desregulação política (fim dos blocos) e económica (que necessariamente se lhe segue) era de esperar que a China, a Índia, o Brasil, a Rússia, etc, países com recursos importantes, se modernizassem e crescessem do ponto de vista económico. E crescimento económico significa peso geopolítico. Quando temos países cuja riqueza cresce a dois dígitos por ano ao longo de mais de uma década e outros cujo produto cresce em média 1 ou 2% no mesmo período, inevitavelmente os primeiros ficam mais e importantes e os segundos tornam-se menos importantes. A Europa podia evitar isto? Não podia. Mas podia fazer duas coisas: crescer mais para defender a sua posição económica no mundo e tornar-se mais forte para conter com diplomacia política e económica o peso geopolítico dos novos actores. Foi isso que os EUA fizeram com a Índia, por exemplo. O falhanço da Europa em se integrar politicamente tornou-se mais fraca, tanto do do ponto de vista político como económico. Por isso é que o problema é político antes de ser geopolítico.

Mas a crise também é económica. O problema não está apenas no facto de as economias europeia e americana crescerem muito menos que as economias emergentes. Está também no facto de os mercados tradicionais dos países desenvolvidos encolherem enquanto os mercados dos países emergentes se expandem, tanto do ponto de vista demográfico como do ponto de vista de acesso ao consumo. Também isso era inevitável. Mas uma Europa com mais peso geopolítico teria conseguido impor mais restrições à expansão dos países emergentes  e sobretudo teria imposto um acesso mais fácil aos seus mercados emergentes. Por isso é que a crise é geopolítica antes de ser económica.

É claro que a crise também é financeira. Mas é muitas outras coisas antes de ser financeira. E é-o devido a essas outras coisas. Os “mercados” necessariamente ilustram em números aquilo que os políticos decidem nos gabinetes e as populações escolhem nas eleições. Os políticos e as populações “escolheram” uma Europa politicamente fraca e economicamente débil; os mercados limitam-se a expressar esse “desejo” em números, com o rating das dívidas e o consequente aumentos dos juros. Perante países em dificuldades, os “mercados” têm a mesma candura que um predador perante o antílope!

É aqui – e só aqui – que a crise se torna a “crise do euro” ou “das dívidas soberanas”. Mas torna-se isso em consequência do fraco crescimento económico, por causa da emergência de novas potências mundiais e devido ao beco sem saída em que se meteu a construção política europeia. Falar da “crise do euro” ou “das dívidas soberanas” e ignorar tudo o que está para trás é ignorar o essencial. E, na realidade, duvido muito que a resolução da “crise do euro” ou “das dívidas soberanas” resolva realmente o problema. Ou, melhor dito, os problemas.

Pode até acontecer que os dirigentes europeus saiam da cimeira de amanhã com decisões importantes para defender a sua moeda e proteger as dívidas dos seus países, talvez a criação de um ministério das finanças federal, talvez a emissão de dívida ou outras medidas que se têm falado. Mas estarão mal se essa for a sua única ambição. Porque, mesmo que essas medidas resultem – o que em si já é muito duvidoso – não tocarão nas causas profundas da decadência europeia. O problema seria melhor resolvido ao contrário, começando pelas causas e não pelas consequências!