A banhos…

A partir de amanhã e até início de Setembro vou estar num merecido repouso entre a àgua e o guarda-sol, algures nas  proximidades do Alvor. Nem o portátil levo…

Concurso abusivo

galp-milhoes.jpggalp-milhoes.jpg 

Este concurso da Galp tem a particularidade de sortear os prémios por todos os cartões FastGalp, mesmo aqueles que não demonstram qualquer interesse em participar. Para ser incluído no sorteio basta possuir o cartão Galp, mas para ganhar é preciso ter previamente trocado pontos. Esse é o sinal de intenção de participação. Como se se depreende do regulamento, os prémios atribuídos a cartões que não trocaram previamente pontos são acumulados para o sorteio seguinte à maneira de jackpot. Como toda a comunicação, a começar pelo video de lançamento (ver “o calvário do orlando“), é feita à volta desse conceito – “pelo sim, pelo não, jogue os pontos do seu cartão” – e os sorteios serão televisionados, aposto que os detentores de cartões sorteados – serão só eles? - ficarão a saber que poderiam ter ganho se tivessem jogado. 

É só impressão minha ou isto é um bocadinho abusivo?

O traseiro mais belo do mundo

sloggi.jpgPara além do seu interesse específico…, a campanha “Show me your Sloggi“ demonstra como as empresas estão a aprender a lidar com a web 2.0. O concurso destina-se a eleger o “mais belo traseiro” do mundo (em primeiro lugar está presentemente a Simona, de Turim) e qualquer pessoa pode fazer o upload das suas fotos, entrando nesse momento numa espécie de comunidade com os restantes participantes. Os votantes, claro, são os internautas registados. O prémio é atraente para os potenciais participantes – o início de uma carreira de modelo – e associado à campanha está um hino – pela cantora Aida (quem…?) – e uma coreografia específica. Tudo orquestrado com sabor a Verão.

(via Meios & Publicidade)

Daniel Gilbert, autor do livro “Stumbling on Happiness” vai ser um dos oradores numa conferência sobre o assunto a realizar na Culturgest de 31 de Maio a 2 de Junho, juntamente com outras “estrelas” como Darrin McMahon, Ruut Veenhoven, Gilles Lipovetsky e Eva Illouz.  Um elenco fenomenal para  um evento no qual a entrada é gratuita.

Segundo o Público, que publicou um extenso trabalho sobre Daniel Gilbert no P2 de sábado, o livro será em breve editado em Portugal com o título “Tropeçar na Felicidade”, pela Estrela Polar, da Oficina do Livro. Tem sem dúvida todo o  perfil de um best-seller (embora, segundo o autor, este não seja um livro de auto-ajuda, mas um livro para o qual as pessoas se virarão “quando tiverem comprado um livro de auto-ajuda, feito tudo o que esse livro aconselha e continuarem a sentir-se infelizes” – do referido artigo do Público)

Dan Gilbert foi um dos participantes na TED Condeference de 2004, com uma apresentação que naturalmente já abordava o tema em moldes semelhantes àqueles que será lícito esperar da conferência de Lisboa. Em jeito de antecipação, aqui está o video dessa TED Talk.

Este site é uma espécie de You Tube do “como fazer”. Qualquer pessoa pode colocar videos, desde que sejam curtos e ensinem a fazer algo. O lema do site é “5min life videopedia” e parte do princípio que as soluções para a maior parte dos problemas práticos do dia-a-dia são melhor demonstradas por imagens e que qualquer pessoa é perita em alguma coisa.  A conjugação destes dois princípios resulta no 5min, uma boa demonstração de para que servem afinal as comunidades online e a produção de conteúdos pelos próprios internautas.

Há diversas formas de fazer busca dos videos, podemos subscrever videos de um tema ou de um autor e, se optarmos pelo muito interessante Smart Player, podemos ver frame a frame ou em câmara lenta, ir directamente para determinadas secções do video e fazer zoom sobre as áreas que nos interessam. Muito, muito funcional.

(uma dica web 3.2.1)

U. S. of A.

scottsdale.jpg

A partir de amanhã e até sábado estarei por aqui.

Aconselharam-nos a levar apenas bagagem de mão e, nesse quadro, uma muda de roupa vale mais que um portátil! Por isso, só haverá posts nos próximos dias na medida em que a sala de imprensa e o trabalho o permitirem. Veremos.

Espírito ecuménico

janela.JPGO que me enche de orgulho não são são as bandeiras portuguesas penduradas à janela.

O que me enche de orgulho são as bandeiras brasileiras, angolanas, ucranianas, alemãs, italianas, francesas, suecas, etc, penduradas às janelas portuguesas.

Mais do que o futebol, é isso que nos enriquece como povo. É isso o que de mais rico temos para oferecer ao mundo. O futebol é apenas um belo pretexto.