The social network

Acabei de vir da ante-estreia do “The Social Network” – “A Rede Social” (Obrigado, Espadinha!), a aguardada “histria” no autorizada do Facebook e de Mark Zuckerberg. E h dois ou trs aspectos que gostaria de destacar:

1. Gostei do emaranhado da narrativa e da forma como os dilogos, os planos e a trama vo evoluindo de rpidos para lentos. Comea com um ritmo to frentico que quase custa a acompanhar e termina, simbolicamente, com um longo plano de Zukerberg frente ao computador. uma espcie de desconstruo e decomposio do ritmo acelerado da realidade de forma a permitir-nos focar-mo-nos nos seus componentes de base. Bom.

2. Uma das mensagens fortes do filme – mais uma vez simbolizada no plano final – a ensima representao do aforismo “it’s lonely at the top”. No o primeiro nem ser o ltimo filme a faz-lo. Tantos acontecimentos depois, Zuckerberg acaba to sozinho como comeou e a pedir amizade ex-namorada em nome de quem tudo comeou. O vencedor est sempre sozinho, mesmo quando est rodeado de gente. Essa a grande ironia do sucesso.

3. Outra das mensagens fortes do filme esta: o sucesso s atingvel com persistncia. Uma ideia realmente boa merece antes de tudo o respeito de nela persistirmos. No filme, Zuckerberg perde namoradas, amigos e at dolos para conseguir materializar aquilo que ao longo de boa parte do filme no passa de uma “boa ideia”. Mas consegue! Uma lio para todos ns.

4. Este um filme sobre “nerdness”. Afinal o que um “nerd” informtico? A resposta est no filme. preciso perceber – para quem ainda no percebeu -que um “nerd” da informtica programa (digo eu que no sei cdigo…) com o mesmo envolvimento com que um poeta escreve poemas ou um pintor pinta quadros. No sei se o episdio verdico, mas por isso que Zuckerberg diz que criou um programa para a Microsoft ainda na adolescncia e que fez o respectivo upload “porque sim”. Um poeta escreve poemas mesmo que ningum os publique. Um programador programa mesmo que seja s pelo gozo de fazer coisas. esse “gozo” que transparece no filme e d a mais completa definio do que um “nerd”. preciso perceber isso para perceber o estado actual da indstria informtica.

5. impresso minha ou a determinado ponto traduziram “Linux” por “Linus”? Daah!

(adenda) Outra coisa: interessante (no disse significativo, disse apenas interessante) que a maior rede social do nosso tempo tenha sido inventada por um inepto social. incontornvel que isso diga algo sobre a sua rede (mais precisamente que est “em vez de”, a maior crtica que lhe feita, e que alis o filme tambm veicula), mas, sobretudo, questiona-nos sobre a natureza destas redes sociais face s redes cara-a-cara e sobre a relao entre as duas. Estes um fenmeno que – parece-me – ainda est por compreender na sua plenitude.

Esta entrada foi publicada em Internet, Media com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s