Monarquia e República

Nos últimos anos temos assistido um pouco por toda a sociedade portuguesa ao renascimento do ideal monárquico, que culminou com várias manifestações a propósito do centenário da República e com a discussão latente sobre as vantagens e desvantagens da República e da Monarquia como formas de governo. O assunto, obviamente, é interessante, mas a respectiva discussão tem estado deslocada do essencial da questão e – creio – por detrás dela está mais uma forma de desresponsabilização colectiva.

A primeira grande crítica que se faz à República é que a sua instauração se fez de uma forma violenta e sanguinária. Esta crítica é fundamentalmente fútil, uma vez que é regra (e raras são as excepções) que as grandes mudanças sociais e políticas se façam precisamente de forma violenta e sanguinária. E a mudança de uma sociedade monárquica para uma sociedade republicana é uma das grandes mudanças sociais e políticas que atravessou todas as nações do ocidente, quase sempre com violência e sangue.

A outra grande crítica que se faz à nossa centenária República é o seu rotundo e evidente falhanço em corresponder aos anseios de desenvolvimento do povo português. Olhando para trás, encontramo-nos hoje numa situação colectiva assustadoramente parecida com aquela que se viveu na instável primeira República. Como se, 100 anos depois, tivéssemos dado uma volta de 360 graus para voltarmos ao ponto de partida. Isso em parte é verdade. Mas, tão ou mais assustadora que a análise da situação social e política actual por paralelo à de há um século atrás, é a releitura do diagnóstico do “ser português” que vários anos antes já tinha sido feita pela “Geração de 70”. O que essa releitura revela é um povo cujos traços de personalidade colectiva pouco mudaram em 100 anos. Os nossos defeitos colectivos são hoje os mesmos que eram há um século e são aqueles que permitiram que aceitássemos impavidamente que nos guiassem como um dócil rebanho na maior parte destes últimos 100 anos (durante toda a ditadura, obviamente, mas também no tempo da “Europa”, com raríssimas excepções na primeira república, no PREC e, talvez, nos anos de ouro cavaquistas).

O problema não está na República. Porque o que verdadeira e essencialmente distingue a República da Monarquia – e aqui chegamos ao centro do debate – é o “peso” que cada um dos regimes coloca sobre os ombros dos cidadãos. Numa Monarquia o poder emana de Deus e é atribuído divinamente a um cidadão. Por isso é que existe uma linha sucessória. Numa República, o poder emana do Povo e é atribuído aos seus representantes durante o período de tempo do mandato e segundo esse mandato. Por isso, numa Monarquia, os cidadãos são essencialmente irresponsáveis perante o caminho da sociedade (compete ao Rei decidir), enquanto que numa República os cidadãos são – todos – solidariamente responsáveis pelas escolhas feitas (se não o forem, a consequência lógica é a guerra civil ou a formação de partidos). A República é portanto – logicamente – um estágio evolutivo superior da organização colectiva da espécie humana. Regressar da República à Monarquia seria um retrocesso histórico contrário a toda a evolução recente das sociedades humanas.

Claro que – dirão os apoiantes da Monarquia – o que se pretende não é o regresso às formas tradicionais de Monarquia, mas sim a uma Monarquia constitucional, com partidos, eleições e representantes temporalmente mandatados. Uma Monarquia “moderna”. Esse é outro erro de perspectiva subjacente a este debate. Desde logo, porque uma “monarquia constitucional” já é em si mesma uma conjugação de termos difícil de conceber. De onde emana a legitimidade de poder nesse caso? Do “monarca” ou da “constituição”? “De ambos”, naturalmente, só é uma resposta aceitável, enquanto eles não forem contraditórios…

Depois, porque uma Monarquia em que todos os representantes executivos são eleitos excepto o Rei não é verdadeiramente uma Monarquia. É uma República com um cargo de chefe de Estado não electivo. O que significa que, na realidade, não existem verdadeiras monarquias no mundo ocidental. O que bate certo com a já referida evolução das sociedades humanas: não existem monarquias no mundo ocidental porque é uma fatalidade da evolução histórica que não existam monarquias no mundo ocidental. É tão simples quanto isso. E é por isso que a proposta de regresso à Monarquia é tão… irracional.

Aliás, se me é permitia a opinião (republicana), as monarquias que conhecemos no mundo ocidental (nomeadamente na Europa), fazem muito pouco jus à nobreza (a palavra adequa-se particularmente neste contexto) tradicional da Monarquia. Escândalos nas revistas do social, plebeus em matrimónios reais, divórcios… nada disto está à altura do legado histórico da Monarquia, o qual, até um republicano o admite, nos deu bastantes exemplos de grandeza. Aliás, é disso também que se faz a nossa história! Essas tristes figuras das monarquias europeias não são epifenómenos; são, precisamente, manifestações de como a instituição monárquica está desfasada do mundo moderno. Toleram-se porque na verdade pouco importam. Quem decide – tal como deve ser – são os cidadãos através dos seus representantes eleitos.

Os partidários da causa monárquica em Portugal podem dividir-se em dois grandes grupos. Um deles é o dos intelectuais que, à maneira de Vasco Pulido Valente, encontram no advogar da Monarquia uma forma de apresentarem ideias “originais”, diferentes das dos outros intelectuais. O outro é o dos cidadãos comuns que colocam uma bandeira azul e branca no carro ou mudam a sua imagem de perfil no Facebook em dia de centenário da República; esses fazem-no porque é chique, tem classe e a bandeira até é bonita. Mas isso não tem nada a ver com a Monarquia.

O problema é que uns e outros procuram externamente as respostas que deviam procurar dentro de si próprios, colectivamente falando. Não foi a República que nos colocou onde nós estamos. Fomos nós que nos colocámos lá e não há monarca que nos salve! Temos que ser nós próprios a fazê-lo. Dificilmente poderia fechar com uma afirmação mais republicana!

Esta entrada foi publicada em Polí­tica, Sociedade com as etiquetas , , , , , , . ligação permanente.

3 respostas a Monarquia e República

  1. sintese diz:

    Uma adenda: Se for só a substituição de um chefe de estado eleito por um sucessório, mais despesa menos despesa, isso na verdade pouco vai mudar. Os problemas continuarão a ser os mesmos e as soluções têm que ser encontradas nos mesmo sítios: nos cidadãos!

  2. ferreira diz:

    Portugal republicano não faz cumprir a devolução de Olivença e os espanhóis/castelhanos que estão obrigados a fazê-lo, pelo tratado de Viena de Àustria, de 18l5, fazem do tratado letra morta e humillham Portugal e o seu povo ao manter cativo o território daquele espaço.

    Nesta medida, estou convencido que a monarquia acabaria por se impor aos castelhanos no sentido de eles nos entregarem o produto do roubo, e, por isso, na sequência da minha convicção, voto pela monarquia e no seu herdeiro D.Pio, de Bragança.

  3. Este artigo é jacobino que chegue. Que as grandes revoluções aconteceram de forma sanguinária qualquer mentecapto lá chega. A questão é que os portugueses dessa altura já podiam escolher em LIBERDADE se queriam ou não a República. Comparar uma mudança destas, que podia acontecer naturalmente em liberdade caso os portugueses assim o quisessem, com as grandes revoluções sanguinárias onde havia clara falta de liberdade descredibiliza logo este artigo à partida. Logo depois outro erro. A República falhou em toda a linha. Ainda alguém se acredita no “Liberdade, Fraternidade e Igualdade” que diziam defender? Este senhor estudou história, ou pelo menos leu um pouco sobre a pouca vergonha da primeira e segunda república? Provavelmente baseou-se apenas no que aprendeu nos bancos de escola, dessa forma tem a nossa condescendência. Os erros até podem ser os mesmo, mas sem dúvida que estão potenciados pelo regime republicano. Depois este senhor demonstra alguma desorientação no tempo e no espaço. Na Monarquia o poder emana de Deus? Mas em que século vive este senhor? Esta mania dos republicanos de analisarem dados da época com os valores e ideais actuais!!! E já agora, desde quando fomos uma Monarquia por direito divino? Portugal sempre foi uma Monarquia fundacional. Depois um brilhante: “numa Monarquia, os cidadãos são essencialmente irresponsáveis perante o caminho da sociedade”. Será que este senhor pensa que o povo estará amarrado a um Pelourinho a levar de chicote de algum Rei? Diz ainda que se os cidadãos em República não forem solidários com as escolhas que há guerra civil ou formação de partidos. Alguém explicou ao senhor que na Monarquia havia cortes e partidos, incluindo um republicano, que até se chegou a coligar com um partido monárquico? A seguir, desbarata de forma inacreditável o conceito de Monarquia Constitucional bem anterior ao seu, ou ao nosso nascimento, ou mesmo do nascimento da República em Portugal. Ok, a Revolução Francesa ajudou e muito, mas na altura já as correntes liberais na Monarquia existiam e basta olhar para a nossa Guerra Civil. Afirmar tal é negar a forma efectiva como os países que vivem numa Monarquia Constitucional se destacam dos outros. Depois vem os escândalos e mais um vez a demagogia de analisar os factos há época. Ora, que CS existia na altura para cobrir eventos que hoje várias vezes estão escarrapachados nos jornais? Muitas vezes nem era uma questão de liberdade, era um questão de ética e de valores daquele tempo. Havia assuntos que não se falavam. E não era só sobre os nobres. Era sobre a própria família!!! Escândalos existem desde sempre. Lembro Sodoma e Gomorra ou a promiscuidade dos romanos. Há um determinada ética associada obviamente, mas ela é exigida a todos que desempenhem qualquer cargo. Do resto, somos todos homens e mulheres. Acaba em beleza, diminuindo aqueles que defendem uma Monarquia. Reduzir a Monarquia a mero intelectualismo e elitismo é o argumento que faltava para reduzir este artigo, escrito por um republicano, a zero. Assenta bem ao regime que defende. Nada contra ser republicano. Somos completamente contra é que se escreva sem o menor rigor ou mínimo conhecimento de causa.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s