2faces.jpg

Este pequeno vídeo experimental da autoria da Dzark é muito interessante.

(descoberto no alcateia designgroup)

Anúncios

Netvibes no telemóvel

Alertado pelo Micro Persuasion, descobri e instalei a versão para telemóvel da minha página Netvibes. Basta criar uma tab “Mobile” no Netvibes, colocar nela tudo o que queremos que apareça no telefone – mail, feeds, pesquisas, calendário, meteorologia, etc – e depois apontar o telefone para http://m.netvibes.com, introduzindo o login e password habituais do Netvibes. O Unwired View tem uma descrição mais completa de como tudo funciona e o Giga Om também aprova o serviço.

mediadivide.jpg 

Na procura de um novo modelo de negócio para os media, o Social Media de J.D. Lasica cita um artigo da Always On  (parte 1 e parte 2) sobre um estudo do Institute for Business Value da IBM (sumário aqui e PDF integral aqui) que descreve um conflito aberto entre os velhos e os novos media, antevê um choque de estratégias entre os distribuidores e os produtores de conteúdo e aponta dez conselhos para as empresas actuais. No horizonte estão perdas de milhões para esta indústria.

Joost reforça conteúdos

A Joost assinou um acordo com a Viacom que lhe vei permitir alargar muito o leque de conteúdos que propõe. Segundo Dirk-Willem van Gulik serão propostas série da MTV como Laguna
Beach, Beavis & Butthead, Real World, Punk’d e My Super Sweet Sixteen; assim como da Comedy Central, tais como Stella e Freak Show. Os canais Nickelodeon, CMT- Country Music Television, MTV2, Logo, Spike TV, mtvU e Gametrailers.com também vão fornecer conteúdo. O VH1, por seu lado, vai estar presente com episódios de Flavor of Love, Surreal Life e I Love New York enquanto que a cadeia BET vai disponibilizar os programas Beef, DMX: Soul of a Man, Comic View e American Gangster.  A Paramount, por fim vai passar a oferecer no Joost alguns títulos do seu catálogo de clássicos.

Com esta oferta, e atendendo ao facto de ser gratuito e oferecer qualidade de alta definição, o Joost apresenta-se cada vez mais como uma alternativa à clássica assinatura de cabo. E atendendo a que se baseia em tecnologia P2P, as possibilidades de evolução (sobretudo localmente) são quase ilimitadas.

Eu quero dizer a todos os lisboetas que não tenho idade, nem estatuto, nem condição para brincar no quarto de brinquedos do PSD. Se o partido, com os votos dos lisboetas, transformou a câmara num quarto de brinquedos, então não conta comigo para brincar. Contou comigo para trabalhar e desaproveitou todo esse trabalho. Neste momento, eu zanguei-me”.

Maria José Nogueira Pinto, na TSF