Segundo a FAO, mais de uma década depois e apesar e o mundo ter ficado mais rico, o número de pessoas que passam fome é hoje sensivelmente o mesmo que era na década de 90. Haverá melhor afirmação da nossa irracionalidade colectiva? A esta nem Hegel seria capaz de contrapor.

Anúncios

Grande título!

O Pai Natal está a chegar – vem da China e de barco

O maior porta-contentores do mundo vai descarregar num porto britânico produtos made in China destinados a toda a Europa

O Emma Maersk 3 passa esta semana ao largo da costa portuguesa a caminho do porto britânico de Felixtowe e a sua carga é preciosa num certo sentido – se ela se perdesse, perder-se-iam também milhões de presentes de Natal.
O gigante dos mares, o maior porta-contentores jamais construído (transporta 11 mil), carregou no mês passado, no porto chinês de Yentian, muitas das coisas que vão ser “as novidades” do Natal de 2006.

Teletransporte de informação

Um grupo de investigadores do Niels Bohr Institute, de Copenhaga, Dinamarca, anunciou, num artigo publicado na revista Nature (link pago), ter conseguido efectuar o teletransporte de informação através de um rede de comunicação quântica, muito mais fiável e poderosa do que as comunicações digitais. Segundo os investigadores, esta descoberta pode significar uma revolução para a comunicação computacional.

(dica de A informação, via Portal de Referência)

Primeiro comentário: por muito que nos pareça estarmos a viver o futuro hoje, o futuro nunca pára!

Bravo!

É só para elogiar o comentário assinado hoje no Público por Pacheco Pereira a propósito da reserva de privacidade, do Expresso e da namorada do Primeiro-Ministro. O link é pago, mas no Hoje há Conquilhas está uma transcrição bastante extensa.

A crónica de Pacheco Pereira recebe naturalmente variados elogios na blogosfera, incluindo alguns encómios mais interessados, embora, se bem entendo o Dr. Pacheco Pereira, a sua posição não tenha nada de pessoal.

On Net Neutrality

What does Net Neutrality has to do with the slow but steady decline of the traditional media audiences? Although it may not seem so, both things are intimately connected. Here’s why the end of Net Neutrality is the only thing that can save the media. 

1. THE THREATH ON NET NEUTRALITY IS NOT A NORTH-AMERICAN ISSUE.

It is truth that, for the time being, the problem only arose, politically, in the United States, but there are two good reasons why we should expect whatever is decided in Washington to have effects elsewhere, namely in Europe. First reason: the US lead the way on whatever concerns the web 2.0 and therefore it’s the US that sets de standard for the business. As a consequence, these emerging “industry” will tend to regulate worldwide by the standard that is adopted in the US. Second reason: the development gap between the States and Europe on this matter (two, three years?) means that Americans are just experiencing now what the Europeans will inevitably experience later as a consequence to the natural development of the technologies. How such an issue will arise in Europe remains to be seen, but it is not hard do predict the discussion will be less transparent and mainly concentrated on political corridors, which of course makes it more difficult for Net Neutrality to be preserved. This means that, also on this matter, Europe is highly dependent on what happens in the US. 

2. THE NET NEUTRALITY ISSUE IS NOT TECNHOLOGICAL, IT’S ECONOMICAL. AND, BECAUSE IT’S ECONOMICAL, IT NATURALLY BECOMES POLITICAL.

Although phone and cable companies claim they need to charge heavier rates for premium packages, the reason for that is not technological and is doesn’t derive from the net; the reason is economical and it has to do with content. The cable TV (as we know it in Europe) is a good example:  if I’m not mistaken, using the current fibre optic connections, each cable operator could easily offer its clients thousands of stations with high quality and downward and upward streams. Nevertheless, cable operators choose not to do so because, restricting their offer to less than a hundred stations (most on a regular package and others on premium packages), they can charge more their subscribers and ask for a fee from the TV stations in order do distribute their signal. When a TV station’s prestige or popularity is such that it allows it to be “strong” before the cable company, it may not have to actually pay a fee to be present, but it will surely have to negotiate its presence in a way that is profitable also for the cable operator. That doesn’t change the basics: the cable company must profit from the deal. We’ll see later on how that is an example to illustrate the Net Neutrality issue.

Although somewhat different, also the TV and radio aerial (hertzian) spectrum serves as an example to what I mean, namely on the way both industries are structured. In most western countries (and, I imagine, also in the States) the radio spectrum is vast and almost fully occupied, with the several stations “leaned” against each other. The television spectrum, on the contrary, is pretty rarefied and, on one given region you can usually count by hand the number of stations that are distributed trough aerial antennas. Wherever we are in
Europe, if we go through the television spectrum we’ll find a lot of vacant “positions” and very few that are occupied. In what way does this very practical approach contribute to the debate about Net Neutrality? This very different ways in which the radio and aerial televison have structured and organized determined several consequences. The most important of those is the “attribution of value”. It is true that producing television is in itself more expensive than producing radio, but that does not explain de different “size” of the radio and TV corporations, the diverse degree of investment, income and profit both generate or the quantity of employment they produce. The main difference between them is that radio audiences are very disperse and television audiences are very concentrated. In radio they are so because there are many stations available, and in television they are also so because there are very few channels. More: it’s because radio audiences are scattered that radio stations are weak end mostly small corporations. And, on the other hand, it’s because TV audiences are hugely concentrated that television companies are such giants. Conclusion: the main difference between the two business models (among others) is that in radio each position in the spectrum has a low value (because it generates small audiences) and on television each one has a high value (because it attracts millions of people and generates big money).

And this is how the economic issue becomes very political. What happens is that the business models for radio and television are such because the political authority decided that on the radio spectrum all positions should be taken and on the TV spectrum only just a few would. By doing so, the regulator made radio an abundant “good” from the supply point of view (therefore with disperse audiences); and made television a scarce “good” from the same perspective (consequently with very concentrated audiences). A political decision determined that TV business thrives in abundance and high value and radio survives with scarcity and low value.

Also in the cable business, political authorities could have determined that, if the technical conditions allowed, let’s say, 1300 channels, they should all be occupied. Had it done so, the government would have determined a business model very similar to that of radio broadcasting. But, instead, political authorities gave the cable operators full power to occupy its bandwith with as many channels as they wanted. Therefore, cable companies chose to offer more channels than the aerial television (in order to be competitive), but less than they technically could. That’s why they now manage a scarce “good” (the scarcer the good, the more value it holds).

Internet faces a similar dilemma, converting the Net Neutrality issue into a political problem. Unlike aerial or cable TV, internet is not extensive; it is virtually unlimited. Therefore the “cake” isn’t cut into four or five big slices, like in aerial TV; nor in some few dozens tasty portions, like in cable TV; not even in hundreds of very thin pieces, like on the radio business. When it comes to internet, the “cake” shreds into a million tiny crumbs, each almost valueless. Just like TV or radio, internet connects those who produce messages to those who receive them. But in this case we’re talking about individual or very small groups of receivers and a growing number of individual or smaller producers. That’s why, no matter how fast it grows the number of people that produce or receive information over the internet, its enormous scattering generates much smaller audiences than the one you get on any TV or radio station.

That almost infinite scattering of the audiences interests the cable and telephone carriers that supply the internet connection just as much as it is welcomed by the media companies, who were usted to be the sole content providers (remember that old fashioned concept called “gatekeeping”?). None of them likes it! Today there are millions of people sharing content over the internet. Each of those “transactions” is in itself an act of value. Which means there is a huge – and getting huger – chain of value that is passing by any form of economical exploitation. There are simply too many things that are free on the internet. And those that are not free are usually very cheap. Probably because of web 1.0 fiasco, the economic establishment didn’t realize what was happening with web 2.0. Somebody was distracted and now it’s very difficult to turn back. But it’s not impossible…

Just as the television examples illustrated, the fact that a medium is abundant doesn’t necessarily mean that it has to be worthless and economically unprofitable. You only need a political regulation that artificially makes scarce what is abundant so that it may provide income for the suppliers of access, for the content providers and, in the end, for the political establishment itself, in taxes and financings. That’s why this lobby is so powerful: it represents big and strong companies, joins different businesses on the same side of the barricade and, most of all, it confronts something as weak as the public interest (I’ll look into further ahead). When de opponents to Net Neutrality propose different “stages” for internet access (they already exist for the consumers – and may yet get bigger – but not for the producers), what they’re asking is for the government do provide them with the legal terms to make scarce what now is abundant – the virtual “space” of the internet – thus allowing them to produce income for themselves and for the government from something that now is almost entirely free. From this point of view, the battle of Net Neutrality is a classic “they’ve got the guns, we’ve got the numbers”. And that’s why the outcome is unpredictable… 

3. THE END OF NET NEUTRALITY MAY BE THE LAST RESORT FOR THE SURVIVAL OF THE MEDIA AS WE KNOW IT

Although media companies have not yet truly realized what’s at stake, they may well be the silent partner that has it in its hands to decide the final outcome. As soon as media companies realize what the end of net neutrality could mean for them, they will most certainly use all their power – which is still much – to struggle for their survival. Allied with the cable and telephone companies, media conglomerates are in fact strong enough to reverse the course of this revolution. Even against the “numbers”. Additionally because the way internet works nowadays – completely free and open – raises important social issues like pornography, violence, childhood threats, crime and terrorism and gives the lobby strong arguments against its freedom and openness. Although they are seldomly mentioned, these weak points of the internet have never been explored in the way that media conglomerates fighting for their life certainly could, and would. And probably will.

The end of Net Neutrality is the last hope for the media industry as we know it. Only if you allow internet carriers to charge differently the internet access on the supply side, can you expect to return to a situation close to the previous status quo. To condition the access of content providers to the net is to grant each of those providers a value that the current disperse offer can’t present. It’s true that an aerial TV channel has more power and strength (at least in Europe) than a cable TV channel (which, in a way, is very much in the hands of the cable operator). But, for most media companies, that solution – even on the dependency of cable operators – is better than simply cease to exist. Because – have no doubt – that is really the future of the media. Any important daily newspaper has already begun to feel the transfer of its audiences to the digital media and, within a timeframe that one can’t measure but will be no doubt shorter than expected, it will most probably became a small newsletter for the elite. Even if it manages to expand its brand into other areas within the new media landscape – something its consultants will recommend but its journalists will resist – the traditional newspaper will only be buying time. Its death remains certain.

Unlike what you sometimes hear or read, the end of the media as we know it is not the result of its past mistakes or the “distance” carved between the newspaper and its readers. The extinction is simply the unavoidable consequence of the new communications technologies and the way those technologies have socially structured. The path of the technologies can’t itself be stopped, but it is possible to act on the social conditions of its use. Through political regulation, that is. That’s why a strategic cooperation between media companies and cable and telephone operators, under the supervision of the government, is in deed so likely. After all, everybody has something to gain from a “healthier” regulation of the internet. As for the consumer, you can always argue that he will continue to pay his internet fee unchanged and still have a very interesting offer on his personal computer. Probably even better than he has today, simply as a result of the evolution of technology. 

4. THE NET NEUTRALITY ISSUE IS A POLITICAL ISSUE IN A SENSE EVEN BROADER THAN NET NEUTRALITY ITSELF.

It is quite easy to understand why Net Neutrality is mainly a political issue. But, in truth, the political aspects of it are even broader than Net Neutrality itself or the way we socially organize the internet. What is at stake today, as probably happened many times in past without we even noticing it, is the opposition between economic interest and public interest. Today, facing this issue, it is fairly simple to say on which side the economic and the public interest are, even if we take into account the question of the employment in the media industries. Because it is undeniable that the speeding of the evolution of web 2.0 in the past few years is mainly attributable to the openness and freedom of the internet. Even the usual argument that it is the search for profit that fuels innovation fails in this area, because most web 2.0 technologies and applications were developed without a clear profit motivation. Internet itself wasn’t born spontaneously, but it is far from the paradigm of economic motivations generating technical advancement. So, on one hand, we have, amongst other things, the enormous spread of information, the multiplicity of social connections and the ability for social mobilization that the current internet has to offer. Its public interest is undeniable. On the other hand, there’s an industry and a wide range of activities that are threatened, and, most of all, there’s a flow of value that is of utmost economic interest to exploit. Which – sorry leftists! – is also of great public interest. The distinction between economic interest and public interest is pretty obvious on this matter.

But this consideration about Net Neutrality leads us to think on how such technological changes may have been dwelt with in the past, mainly when dire social change was involved. The aerial TV is again a good example. I wonder: human society as a whole, did we become more civilized because there were a few channels with high ratings and high income? Or could we have been better served by hundreds of small channels run by the common man, some of them on a neighbourhood range, much closer to its recipients? If we take into consideration the recent developments of the internet, the answer seem all too obvious. The same could probably be said about many periods of change during the human history. And what is the lesson emerging from this?  It’s actually two lessons. One: public interest and economic interest don’t always coincide. Two: economical rationality is not the only rationality applicable to human phenomenon. I think that’s a lot!

Ideias fortes da conferência de Robert Picard relaizada hoje no ISCTE (citações no original):

  • Cinco tendências decisivas para os media: abundância de meios; fragmentação dos consumos; desenvolvimento do portfolio de produtos media; erosão da força dos media; e mudança do paradigma de poder no ambiente dos media.
  • “We are doubling our scientific knowlege every 12 years; and we are doubling our general knowlege every 3 to 4 years.”
  • “We can’t talk about mass audiences anymore.”
  • Com a oferta de media muito incrementada, as pessoas apenas conseguem usar uma pequena parte dos media ao seu dispor.
  • Para os media, o desenvolvimenrto do portfolio é uma forma de reduzir os riscos.
  • As companhias de media estão a ficar mais fracas; há 20 anos havia várias nas 100 maiores empresas, hoje não há nenhuma nas 500 maiores do mundo. Segundo Picard isso é uma “dramatic shift”.
  • As companhias de media estão a tornar-se objectos apetecíveis de take-over; outras tenderão a desinvestir dos media e aplicar o dinheiro noutros sectores.
  • As companhias de media dantes controlavam a seu bel-prazer o ambiente de media. Mas agora é o consumidor que ordena, porque se tornou também produtor de media.
  • O financiamento dos media depende cada vez mais do consumidor e cada vez menos da publicidade. Hoje em dia, por cada euro gasto pelos publicitários, o consumidor gasta 3 euros.
  • As políticas públicas de estimulo da concorrência televisiva (nomeadamente as europeias) prejudicam o sector em vez de o beneficiarem. A última coisa de que os media televisivos precisam é de mais concorrência.
  • O futuro trará aos media uma erosão ainda maior da base financeira e das audiências. A competição vai aumentar, a rentabilidade vai diminuir e haverá uma tendência para a consolidação. Não há alternativa.
  • “New media need old media”; uma das razões é porque precisam de conteúdos e só os actuais produtores os podem produzir de uma forma barata (exemplo: o Google não tem connteúdos, usa os conteúdos de outros).

Moral da história: uma conferência interessante, mas na realidade sem nenhuma esperança sólida para o futuro dos media.

Acerca da Net Neutrality

O que é que a questão da Net Neutrality tem que ver com o lento mas persistente declí­nio das audiências dos media tradicionais? Embora possa não parecer, as duas coisas estão intimamente relacionadas.

1. A AMEAÇA À NEUTRALIDADE DA INTERNET NÃO É UM PROBLEMA EXCLUSIVAMENTE NORTE-AMERICANO.

É verdade que de momento ele apenas se manifestou politicamente nos EUA, mas há duas razões para que aquilo que for decidido em Washington venha a ter efeitos noutros pontos do mundo, nomeadamente na Europa. A primeira razão resulta do facto de a liderança nas diversas variáveis da web 2.0 estar nos EUA; são os EUA que estabelecem o standard do negócio e esta “indústria” tenderá a regular-se também noutros locais pelo standard que for adoptado nos EUA. A segunda razão resulta do avanço que os EUA têm em relação à  Europa nesta matéria (dois, três anos?). Os norte-americanos simplesmente estão a experimentar primeiro um problema que, pelo natural evoluir das tecnologias e da sua adopção, os europeus virão a experimentar dentro de algum tempo. Como a questão da Net Neutrality se vai manifestar na Europa é uma incógnita, mas não é difícil prever que seja menos exposta e mais discutida nos corredores da política, o que naturalmente só dificulta que a mesma seja preservada. Ou seja, no que se refere à preservação da neutralidade da rede, estamos também neste aspecto dependentes do que se passar nos Estados Unidos.

2. O PROBLEMA DA NET NEUTRALITY NÃO É UM PROBLEMA TECNOLÓGICO; É UM PROBLEMA ECONÓMICO E É POR SER UM PROBLEMA ECONÓMICO QUE SE CONVERTE NUM PROBLEMA POLÍTICO.

Embora as companhias telefónicas e de cabo reclamem que têm que associar tarifas mais pesadas aos pacotes premium, a razão não é tecnológica nem de rede, mas sim económica e de conteúdos. A televisão por cabo é um bom exemplo: se não estou em erro (a questão é técnica…), com as actuais ligações de fibra óptica, cada operador de cabo poderia propor milhares de canais aos seus clientes com bidirecionalidade e alta qualidade. Os operadores de cabo não o fazem porque, restringindo a oferta a umas dezenas (a maior parte no pacote “normal” e a melhor oferta nos pacotes “premium”), podem cobrar mais aos assinantes para terem os canais e às televisões para estarem presentes neste canal de distribuição (mesmo nos casos em que o prestígio ou notoriedade de um canal de televisão é tal que lhe permite uma posição de força perante o operador de cabo, e mesmo que nesse caso não pague, de facto, um fee para estar presente, tem pelo menos que propor um negócio que seja vantajoso para o operador; é tudo uma questão de encontrar um equilíbrio que permita ganhos aos dois). Veremos mais à frente como é que isto serve de exemplo para nos ilustrar a questão da Net Neutrality.

Embora com contornos um pouco diferentes, o mesmo pode ser exemplificado pelo espectro hertziano de televisão e rádio, nomeadamente na forma como ambos os negócios se organizaram. Na maior parte dos países ocidentais (e imagino que também nos EUA), o espectro de rádio é vasto e está bastantes profusamente ocupado, com as estações “encostadas” umas às outras. O espectro televisivo, pelo contrário, é bastante rarefeito e, numa determinada região, não são mais do que um punhado os canais distribuídos pela rede hertziana. Se, estejamos onde estivermos na Europa (e, mais uma vez, imagino que nos EUA o espectro seja ainda menos “ocupado”), percorrermos o espectro televisivo, vamos encontrar muitas “posições” vagas e muito poucas ocupadas. E que consequências teve esta diferente forma de organizar os espectros hertzianos de rádio e televisão? A consequência mais importante, da qual derivam todas as outras é a atribuição de valor. É verdade que fazer televisão é, em si mesmo, mais caro do que fazer rádio. Mas não é isso que justifica a diferença na dimensão das empresas, no montante dos investimentos, no volume dos lucros e na quantidade de empregos gerados no negócio da rádio e no negócio da televisão. As audiências de rádio são muito dispersas e as audiências de televisão são muito concentradas. E são-no, no primeiro caso, porque existem muitas emissoras e, no segundo, porque existem poucas. E é também porque as audiências de rádio são dispersas que as empresas de rádio são pequenas e é porque as audiências de TV são concentradas que as emissoras de televisão são gigantes. Ou seja, a principal diferença entre os dois modelos de negócio (embora haja outras), é que no primeiro cada frequência do espectro tem um baixo valor (traz pouca audiência e gera pouco rendimento), no segundo, cada posição tem um alto valor, porque arrasta milhões de audiência e milhões de rendimento.

E é aqui que a questão, de meramente económica, se torna política: É que os modelos de negócio da rádio e da TV são como são porque o poder político decidiu que no espectro de rádio todas as posições seriam ocupadas e no espectro de TV apenas umas poucas o seriam. Ao fazê-lo, o poder político tornou a rádio um bem abundante do ponto de vista da oferta (logo, com audiências dispersas) e a TV um bem escasso do mesmo ponto de vista (e, logo, com audiências concentradas). Por isso, foi o poder político que determinou que num negócio (em abundância) exista pouco valor e no outro (em escassez) exista muito valor. Também no negócio do cabo, o poder político podia ter determinado que, permitindo as condições técnicas ter, suponhamos, 1300 canais, todos eles fossem ocupados. Se o tivesse feito, estaria a determinar para o cabo um modelo de negócio semelhante ao da rádio. Em vez disso, o poder político atribuiu aos operadores de cabo um poder discricionário na ocupação da banda disponível e estes, naturalmente, optaram por ocupá-la mais do que o espectro hertziano (para serem concorrenciais junto do consumidor final, oferecendo mais canais), mas menos do que a técnica permitiria, de forma a poderem gerir um “bem” escasso, sabendo que quanto mais escasso for um bem mais valor ele tem.

A internet enfrenta um dilema semelhante e é por isso que a questão na Net Neutrality se torna eminentemente política. Ao contrário das ondas hertzianas ou do cabo, a internet não é extensa; é virtualmente ilimitada! Por isso, o bolo (valor), não é dividido em quatro ou cinco grandes talhadas, como na televisão hertziana, nem em umas dezenas de apetitosas fatias, como no cabo, nem mesmo em centenas de finíssimas fatias, como na rádio. Na internet, o bolo reparte-se em milhões de migalhas, cada uma com um valor mínimo, quase irrisório. Essa repartição – tal como na rádio ou na televisão – liga receptores e emissores, mas aqui com muitos ou muito pequenos grupos de receptores a uma infinita quantidade de emissores. Por isso, por mais que cresça a quantidade de pessoas que, globalmente, produzem e recebem conteúdos na internet, a enorme dispersão das mesmas provoca que a audiência seja tendencialmente muito mais pequena do que a de qualquer produtor de conteúdos na TV hertziana, na TV por cabo ou mesmo na rádio (para já não falar nos media impressos, essa é outra “guerra”). 

Ora, essa repartição infinitesimal das audiências e dos produtores de conteúdos interessa tão pouco às empresas de media que dantes eram os únicos produtores de conteúdos (tanto que até havia um conceito hoje exótico chamado gatekeeper…), como aos próprios operadores de cabo e telefone que fornecem as ligações de internet. Ou seja, há milhões de pessoas a partilhar conteúdos na internet – cada uma dessas partilhas, seja uma emissão ou uma recepção, corresponde a um acto de valor – e portanto há uma enorme (e cada vez maior) cadeia de valor que está a passar ao lado de qualquer rentabilização económica. Há simplesmente demasiadas coisas gratuitas na internet e as que não são gratuitas são muito baratas. Provavelmente por causa do fiasco da web 1.0, o establishment económico não percebeu o que estava a nascer na web 2.0. Alguém estava distraído e agora é muito difícil voltar atrás. Mas não é impossível…

Como já ficou exemplificado atrás pela televisão hertziana e por cabo, não é por um meio ser abundante que ele tem que inexoravelmente deixar de ter “valor” e gerar rendimento. Basta para isso que o poder político regulamente esse meio abundante para que ele possa gerar rendimentos para as empresas que exploram o espectro, para as empresas que fornecem os conteúdos e, no limite, para o próprio poder político, em impostos e financiamentos. É por isso que este lobby (por enquanto apenas operacional no “país dos lobbies”) é extremamente poderoso: não só representa empresas fortes, como tem vários “sectores” do mesmo lado da barricada e enfrenta, do outro lado, algo tão ténue como “o interesse público”, como veremos mais à frente. Por isso, quando os adversários da Net Neutrality advogam a criação de “degraus de acesso” à rede (que em parte já existem para os consumidores – embora ainda possam ser maiores – mas não existem de todo para os emissores), particularmente numa altura em que aquilo que mais cresce na rede são os conteúdos de banda larga, o que eles pedem é que o poder político lhes dê os meios legais para tornar escasso aquilo que agora é abundante – o “espaço” virtual – permitindo-lhes gerar rendimento, para as empresas envolvidas mas também para o próprio poder político, de um “bem” que actualmente é de utilização quase livre  Ou seja, deste ponto de vista, a batalha da Net Neutrality É um exemplo clássico do “they got the guns, we got the numbers”. Por isso, o resultado é imprevisível.

3. O FIM DA NET NEUTRALITY PODE SER A TÁBUA DE SALVAÇÃO DOS MEDIA TAL COMO OS CONHECEMOS.

Embora aparentemente os media ainda não tenham verdadeiramente acordado para esta questão, eles são uma espécie de silent partner que verdadeiramente pode “decidir”o resultado final. Assim que os media perceberem o que pode resultar do fim da Net Neutrality, eles vão certamente usar todo o seu poder, que como sabemos é muito, para batalhar pela sua sobrevivência. Aliados às companhias telefónicas e de cabo, os conglomerados de media têm de facto força suficiente para reverter o curso da revolução a que assistimos. Mesmo contra a força dos números. Tanto mais que o actual funcionamento completamente aberto – e livre – da internet facilita o recurso a argumentos com a disponibilidade de pornografia e violência, a falta de protecção dos e a insegurança face ao terrorismo e ao crime. Embora emerjam aqui e ali, estes “pontos fracos” da internet nunca foram explorados tão convenientemente como decerto o conseguiriam fazer os conglomerados de media motivados pela luta pela sua própria sobrevivência. Na verdade até têm sido pouco explorados, mesmo nas condições actuais.

O fim da Net Neutrality é a última esperança de vida para a indústria dos media tal como actualmente a conhecemos porque só permitindo-se aos fornecedores de internet taxar diferentemente o acesso à rede pelo lado da oferta é que se pode regressar ao status quo anterior. Limitar o acesso dos produtores de conteúdos à rede é atribuir um valor a cada um desses produtores que a actual oferta infinitamente dispersa obviamente não permite. É certo que um canal no espectro hertziano tem mais força e poder (e ganha mais dinheiro) que um canal no espectro do cabo, que, pelas razões já explicitadas, está em boa parte nas mãos do operador de cabo, mas, ainda assim, para a maioria dos media, essa solução de recurso – ficar na dependência das companhias telefónicas e de cabo, com as quais de resto, a indústria dos media já em muitos laços accionistas – é melhor do que simplesmente deixar de existir. Porque – não tenhamos dúvidas – é isso que está no horizonte: um grande jornal de referência como o Público já começou a sentir os efeitos da transferência de audiências para a dispersão dos novos media digitais e, num prazo difícil de quantificar mas certamente menor do que se imagina, transformar-se-á, quando muito, numa pequena newsletter dirigida à elite intelectual. Mesmo que consiga, seguindo todas as recomendações dos consultores e contrariando a sua cultura de empresa (e sobretudo ética de uma profissão ainda vista como uma “missão”), expandir a sua “marca” para outros sectores de actividade no campo dos novos media, isso não será nunca mais do que um paliativo para um moribundo. Com mais ou menos cuidados paliativos, a morte será sempre o resultado final. E, ao contrário do que por vezes se vê escrito, a extinção dos media tal como os conhecemos não é resultado dos seus erros passados ou da “distância” que deixaram que se criasse em relação às audiências. Essa extinção é uma consequência inelutável da evolução das novas tecnologias e da forma como estas de organizam socialmente. Como a evolução da técnica não é manipulável, não se vê outra forma de reverter esse curso de revolução senão agindo sobre as condições sociais da sua aplicação. Ou seja, através da regulamentação política. É por isso quê é tão credível uma cooperação estratégica nesta matéria entre os media e as companhias de cabo e telefones com a conivência do poder político. Afinal, todos têm algo a ganhar com uma regulação mais “saudável” da internet. Com a vantagem de se poder argumentar que o consumidor nada perde, pois continuará a pagar a sua mensalidade de acesso sem acréscimo e a ter certamente uma oferta de informação e entretenimento bastante interessante.

4. A QUESTÃO DA NET NEUTRALITY É EMINENTEMENTE POLÍTICA NUM SENTIDO AINDA MAIS AMPLO QUE A PRÓPRIO NET NEUTRALITY.

Depois das explicações anteriores torna-se fácil entender que em sentido entendo que a questão da Net Neutrality é eminentemente política. Mas, na verdade, o carácter político do tema é ainda mais vasto e vai muito para além da Net Neutrality ou mesmo da forma como organizamos socialmente a Internet. Hoje, como muitas vezes terá acontecido no passado sem que sequer déssemos por isso, o que verdadeiramente está em causa, tendo como pano de fundo a Net Neutrality, é a oposição entre o interesse económico e o interesse público. Hoje, perante esta questão, mesmo colocando num dos pratos da balança a preservação de empregos da indústria dos media, parece razoavelmente claro de que lado estão o interesse económico e o interesse público. Basta que nos lembremos de toda a evolução registada pelas aplicações web 2.0 nos últimos anos para percebermos até que ponto essa evolução se fica a dever ao carácter aberto e livre da Internet. Aliás, o argumento habitual de que é a procura do lucro que estimula a inovação não colhe neste sector, uma vez que a maioria nas novas tecnologias e aplicações web 2.0 foram desenvolvidas sem uma movitação económica assim tão clara. Na verdade a própria Internet, não sendo uma “geração espontânea”, está longe de corresponder ao protótipo da técnica suscitada pela economia. Por isso, se de um lado temos a enorme difusão de informação, a multiplicidade de conexões sociais e a capacidade de mobilização que a permite a web 2.0, factores que a tornam de grande interesse público nos seus moldes actuais, do outro lado encontramos todo um sector de actividade em risco e um rio de riqueza pronto a explorar pelo interesse económico (que, desenganem-se os mais esquerdistas, também é de interesse público). A oposição entre interesse público e interesse económico é por demais evidente.

Mas esta reflexão, feita a propósito deste momento particular em que discutimos a Net Neutrality (um grão cósmico na infinidade do tempo…), não pode deixar de nos levar a meditar sobre como terão sido resolvidas no passado as mudanças tecnológicas deste tipo. Sobretudo aquelas que implicam forte mudança social. A televisão hertziana é novamente um bom exemplo: como sociedade humana, será que tirámos mais proveito civilizacional da existência de poucos canais carregados de audiência e cheios de dinheiro do que tiraríamos de centenas de pequenos canais geridos pelas pessoas comuns, alguns deles apenas com alcance de bairro, e com grande proximidade em relação aos destinatários? Se tomarmos como exemplo a evolução recente da Internet, a resposta parece óbvia. O mesmo provavelmente pode ser dito acerca de muitas outros períodos de mudança na história humana. E a lição que isso nos dá é clara: a) o interesse público e o interesse económico não coincidem sempre; e b) a racionalidade económica não é a única linha de racionalidade aplicável aos fenómenos humanos.

O blogue do presidente

Hermínio Loureiro, presidente da Liga, mantém um blogue chamado 4linhas desde Dezembro de 2006, predominantemente sobre política e desporto. Não o sabia e descobri-o por acaso. Mas não deixa de ser interessante percorrer as opiniões de um homem que agora está no centro daquilo a que se chama “o sistema”.

Infelizmente, Hermínio Loureiro refere-se à sua actividade na Liga muito menos do que seria interessante, mas o post referente à eleição recolhe um vasto conjunto de comentários onde não é possível deixar de notar a presença de alguns nomes curiosos…, embora não confirmados: António Tavares, Ribeiro Cristóvão, Agostinho Duarte, José Torres, Joaquim Oliveira, etc.