Feira do Relógio

A Feira do Relógio, em Lisboa, é (como qualquer outra do género) um impagável laboratório sociológico. Os finalistas de sociologia deviam ser obrigados a fazer ali parte do estágio. Na Feira do Relógio pulsa o país real (o.k., 95% dele!) e uma visita diz-nos muito sobre o que somos como povo e como país.

Hoje de manhã três agentes da PSP circulavam calmamente, vigilando a ordem pública por entre feirantes que, bancada sim, bancada não, comerciavam artigos de contrafacção ou simplesmente roubados. Os artigos obviamente não lhes interessavam, nem a eles nem aos agentes da polícia municipal que por lá andavam.
Desta vez como todas as outras em que já tinha presenciado a cena, achara estranho que a polícia pudesse estar presente e não fazer nada. Mas hoje vislumbrei parte da resposta quando vi uma fiscal da câmara, devidamente identificada, a conversar com uma feirante sobre o que julgei ter percebido ser algo relacionado com os documentos que é preciso ter para ali poder estar. A polícia olha para o lado porque a câmara olha para as licenças, porque os compradores olham para o bolso. É uma cadeia económica devidamente montada que só tem um detalhe estranho: é ilegal. Mas isso que importa. Aparentemente todos ganham menos as multinacionais lesadas (sim, isso é redentor!). Para refinar a ironia, até a fiscal que verificava a condição de feirantes dos feirantes ia pelo meio fazendo as suas compras da manhã: uma camisola da Gant, uma camisa Lacoste, uns sapatos Timberland, etc.
Se isto não é a imagem de um povo…

ADENDA: O Telejornal da RTP acaba de emitir uma reportagem feita na Feira do Relógio com o teor popularucho habitual, sobre o Natal dos pobres. A contrafacção e os artigos roubados não despertaram a atenção do jornalista. Mais um personagem para esta farsa nacional?

Esta entrada foi publicada em Não catalogado. ligação permanente.

Uma resposta a Feira do Relógio

  1. Marco diz:

    Ao longo dos anos a Feira do RElógio tem evoluido.
    Há 20 anos havia o “carro do norte” que apregoava com megafones e acordava toda a gente com uma enorme berraria aos domingos de manhã. Vendia colchas, talheres e muitas outras bugigangas. O proprietário chegou a aparecer num programa com o Carlos Cruz.

    Também há 20 anos, no domingo à tarde o local da feira era uma paisagem de imundice; hoje, vêem-se lá empregados de limpeza a varrer o que resta da feira.

    Estas pequenas diferenças é só para dizer que a Feira foi-se civilizando, apesar de manter o seu espírito muito próprio.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s