Demolidor

Joaquim Aguiar, uma dos arautos da “deriva presidencialista“, na Atlântico (sem link):

“Américo Tomás tinha declarado que não tencionava recandidatar-se a um terceiro mandato. Estava cansado, um período de sete anos era um período longo. Era a ocasião para a mudança decisiva, que permitiria abrir um novo horizonte para as questões conjuntas da abertura democrática, da independência das colónias e do desenvolvimento económico (…). Afinal concluiu que não estava cansado (…). Fechou-se a última janela de oportunidade e cairam todos (…).
Trinta e três anos depois reproduz-se o mesmo dilema entre a continuidade e a mudança a pretexto de uma eleição presidencial. Também se trata de uma última janela de oportunidade de correcção de rota antes de o colapso do Orçamento de Estado, o esgotamento da economia e a impossibilidade de sustentar o financiamento das políticas sociais trazerem para o primeiro plano a degradação dos comportamentos políticos, a generalização da corrupção e a captura dos serviços públicos pelos seus funcionários (…).
Como Tomás, Soares anunciou que estava cansado e que bastava de responsabilidades institucionais. Como Tomás, Soares sabe que é o último elo da continuidade, aquele que quer impedir o reconhecimento do óbvio. Como ao lado de Tomás, também ao lado de Soares estão as forças apostadas na continuidade, que querem fechar a última janela de opotunidade para a correcção da rota, desde que isso lhes prolongue os privilégios (…).

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Não catalogado. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s