Quatro observações sobre Carrilho, Carmona e Lisboa.

1. Em todos os debates em que tive a oportunidade de ver mas, mais do que todos, no que o opôs a Carmona, Carrilho pareceu sempre nervoso e excessivamente agressivo. Carrilho conquistou a pulso e contra a vontade do secretário-geral do partido e possivelmente contra o partido, o direito de ser candidato em Lisboa e sabe que não terá carreira política para além de uma derrota. Por isso joga o tudo por tudo. Mais: Carrilho tem-se em muito boa conta e pensa, provavelmente, que daria um excelente primeiro-ministro ou presidente da República. Por isso vê esta eleição/mandato como uma etapa transitória no destino para que está fadado. Vê-a portanto com algum enfado. E isso nota-se na pressa com que quer eliminar adversários e etapas para chegar ao seu destino. Claramente, Carrilho vive noutro mundo e o choque com a realidade vai ser brutal

2. A agressividade mútua do debate Carmona/Carrilho deve ter afastado mais eleitores do que aqueles que conquistou. Para ambos os candidatos. É verdade que foi Carrilho e não Carmona que instalou o ambiente de terrorismo mediático em que decorreu o debate. Mas, tivesse Carmona sabido resistir e poderia ter ganho as eleições naquela noite. Foi neste detalhe que se notou a falta do político que ele não é. Assim, julgo que ambos perderam votos e não serão poucos os eleitores que a esta hora estarão a consultar as propostas de Maria José Nogueira Pinto, José Sá Fernandes e Ruben de Carvalho.

3. O problema para quem pretende votar nas alternativas ao bloco central é o voto útil. Se o voto útil exerce uma pressão enorme sobre os eleitores nas eleições legislativas, nas autárquicas exerce-a ainda mais, porque a influência das oposições é ainda menor nas autarquias do que no governo central. A inutilidade de um voto derrotado nas autárquicas – e um voto nos extremos é sempre um voto derrotado – é ainda maior que nas legislativas, o que tendencialmente reforça a centralização do voto. Ele só não se centraliza mais porque, ao contrário, a importância do voto é em si mesma menor, o que permite maior liberdade de voto aos eleitores. Destas duas tendências contraditórias resulta uma forte pressão sobre o voto útil. Sem ela, e com Carmona e Carrilho a prejudicarem-se mutuamente de forma tão evidente, qualquer um dos “pequenos candidatos” poderia ganhar em Lisboa.

4. O problema do distanciamento entre eleitores e eleitos não é só um problema nacional. Paradoxalmente à proximidade geográfica, esse afastamento é ainda maior nas autarquias. O que, manifestamente, resulta de um sistema de governação das câmaras ainda mais irracional do que o sistema de eleição para os órgãos de governação nacionais. Esta é uma questão que claramente transcende Carmona e Carrilho, mas em boa parte os explica, assim como aos epifenómenos Valentim, Ferreira Torres e Isaltino. Depois de eleito, um executivo camarário fica em roda livre (uma das irracionalidades do sistema é que não permite controlo efectivo), com os efeitos que se conhecem.

Esta entrada foi publicada em Não catalogado. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s